Quem sou eu

Minha foto
Salvador, BA, Brazil
Mestrando na área de saúde, acompanha a Formula 1 desde o início da década de 1990. Entusiasta no cuidado automotivo, leitor e colecionador de revistas especializadas e livros sobre Ayrton Senna.

Seguidores

domingo, 11 de novembro de 2012

TOP TEN CARROS - MAIS BONITOS DA F1 (PARTE 2)

Continuando a postagem sobre os 10 carros mais bonitos da F1, os cinco primeiros classificados:
 
5° lugar) Lotus Renault GP Team R31 Renault RS27 V8 – 2011. – Para 2011, a Renault F1 Team, assume o nome Lotus, vencendo o embate legal contra a Caterham F1 Team pelo nome da tradicional escuderia. A equipe decide também resgatar o layout com as cores preta e dourada, famoso nos anos 70 e 80 nos carros de Emerson Fittipaldi, Ayrton Senna e Nigel Mansell. As cores remetem ao patrocínio dos cigarros John Player Special, e portanto, houve certa polêmica em países que proíbem propaganda tabagista. A princípio, pareceu forçado, mas a pintura clássica caiu muito bem com o design moderno, e como ainda não havia os terríveis “bicos de ornitorrinco”, o carro daquele ano foi o escolhido. O capacete de Bruno Senna também remetia àquelas Lotus de 1985-86 de Ayrton.

Lotus Renault R31 - 2011
Foto: Farm7
 

4° lugar) Ligier Gitanes Blondes JS39B Renault RS6 V10 – 1994. A tradicional equipe e seu hábito de manter o “puro sangue” francês (motor, patrocínio, pilotos), surge para a temporada de 1994 com o potente e confiável motor Renault, mas com pilotos medianos (Olivier Panis, Eric Bernard, Frank Lagorce, Johnny Herbert) e um chassi limitado. Obteve a segunda e terceira colocação na Alemanha em uma corrida com muitos abandonos e quebras de motor. Curiosamente, Christian Fittipaldi quase foi ao pódio com uma Footwork-Ford, alcançando a quarta colocação. Ao final do ano, Schumacher testa este carro, visando estudar o motor Renault que iria para a Benetton na temporada seguinte, obtendo tempos superiores aos dos pilotos da casa. O carro foi escolhido principalmente pela cor azul, que homenageia o automobilismo francês. Um tom próximo ao royal, com detalhes em branco,  preto, e vermelho, clean, elegante e clássico.


Ligier Renault JS39 - 1994
  
3° lugar) West McLaren Mercedes MP4/12 Mercedes-Benz FO 110E V10 – 1997. Após mais de 20 anos de parceria com a Marlboro, a equipe firma contrato com outra marca de cigarros, a West. Com este carro, David Coulthard conquista a primeira vitória da equipe desde o GP da Austrália de 1993, última corrida vencida por Senna. A equipe havia encomendado a três companhias publicitárias o novo layout do carro com as cores prateada, preta e vermelha. A companhia vencedora apresentou um projeto muito bonito e inovador, com a predominância do prateado da Mercedes e combinações que remetiam a impressão de movimento e velocidade, como as formas de bumerangue vermelhas acima das entradas de ar. A West permaneceu com a equipe até 2005, mas as cores da equipe se mantiveram até hoje. Mas para quem estava acostumado com o vermelho e branco, a mudança foi bem radical.
 
Mclaren Mercedes MP4/12 - 1997
 
2° lugar) Canon Williams Renault FW15 Renault RS5 V10 – 1993. Após um ano afastado da F1, Alain Prost retorna, e com a melhor equipe da temporada, apelidada por Ayrton Senna de “Williams de outro planeta”. Suspensão ativa, controle de tração, fracionamento de combustível o melhor motor além de ser um projeto de Adrian Newey. Não por acaso, o francês conquistou o tetracampeonato, mas teve dificuldades no início do ano. Senna, apesar de sua McLaren não possuir as assistências eletrônicas, chegou à quarta prova da temporada liderando, com duas vitórias e um segundo lugar. Mas voltando ao carro, a Williams manteve as tradicionais cores azul, amarelo e branco dos anos anteriores. Esta combinação virou sinônimo de um carro vencedor, talvez o auge do automobilismo.
 
Williams Renault FW15 - 1993
Foto: Enter F1

1° lugar) Marlboro McLaren Ford MP4/8 Ford HBE7 V8 – 1993. Naquele ano, conversava com um amigo sobre qual era o carro mais bonito da F1. Ele apontou a McLaren de Senna. Não entendi como um desenho tão simples poderia ser escolhido. Passei a olhar com mais atenção aquele carro. Na pré-temporada, reportagens informavam que sua aerodinâmica foi inspirada no avião concorde, semelhança visível no bico do carro. Vejo este modelo como um marco divisório na F1. Um dos últimos modelos com bico curvado, cockpit e aerofólio traseiro ainda com perfil alto e a pintura tradicional e vencedora de outros anos da Marlboro. Mais uma pintura que destaca-se  pela sua simplicidade, associada com as vitórias de Senna. A superação de uma fraca McLaren de 1993, apenas a terceira força daquele ano, alcançando o vice-campeonato de pilotos.

McLaren Ford MP4/8 - 1993
Foto: GP-World

Menção Honrosa: Team 7UP Jordan 191 Ford HB4 V8 – 1991. Este monoposto tem sido citado frequentemente como um dos mais bonitos de todos os tempos. Não em minha em opinião, mas fica o registro.
 
Jordan Ford 191 - 1991
Foto: Farm8
 
 

Referências:
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário